.380 x .38, Qual a melhor escolha?

cid1

Claudio Cisne Cid, Agente Penitenciário Federal, 43 anos, atirador desportivo há 23 anos.

Muitos, ao pensarem em adquirir sua primeira arma de defesa fazem essa pergunta, e na maioria das vezes não conseguem uma resposta 100% satisfatória, gerando uma “confusão” maior ainda, em vista das diversas lendas urbanas e inverdades sobre esses dois calibres, ditos pelos pseudo-experts de plantão.

Este artigo, tem por fim tentar elucidar algumas dúvidas, e auxiliá-lo na escolha de sua arma de defesa, assim como o calibre que você escolher.

Primeiramente, é necessário que o operador do armamento tenha em mente que não existe calibre/armamento perfeito, cada um tem seus pontos fortes e fracos, e, dentro destas características, cabe a você fazer a escolha que se adapte a melhor a suas necessidades.

Por questão de ordem cronológica, começaremos pelo famoso Três Oitão, conhecido por .38 SPL ou .38 S&W Special.

.38 Special

388
Lançado em 1898, com fins militares, foi originalmente foi desenvolvido para uso em revólveres, havendo porém, algumas pistolas desenvolvidas para o calibre.

Foi também disponibilizado no mercado civil/policial sendo que a maioria dos departamentos de polícia dos EUA o adotou como arma padrão a partir de 1920.

Foi largamente usado até a década de 80, quando houve significante crescimento no consumo de entorpecentes e, consequentemente na agressividade dos criminosos, perdendo espaço para calibres como o 9mm, .45 ACP e o .40S&W. Alguns dos modelos mais famosos e preferidos pelas forcas policiais foram foram o  o Smith & Wesson Model 15, Ruger Security Six,Colt Police Positive , dentre outros.

No Brasil, há tempos vem perdendo espaço para o .40 S&W, calibre de dotação da maioria das forcas policiais brasileiras, porém ainda comumente visto no coldre e em mãos dos profissionais de segurança pública por todo país.

Sua simplicidade de funcionamento e operação, rusticidade e preço, fazem dele uma boa escolha como arma de defesa.

Seu maior “defeito” reside na baixa capacidade de munição em face da grande maioria das pistolas modernas, que possuem em média um mínimo de 13 cartuchos em um único carregador.

O calibre possui um poder de parada razoável, e recuo completamente tolerável, que, aliado a munições tipo +p ou +p+  fazem do calibre uma excelente escolha para defesa pessoal, sendo ainda usado largamente nos EUA para esse propósito.

.380 ACP (Automatic Colt pistol)

380

Criado pelo famoso designer de armas John Moses Browning (criador da famosa Colt 1911 no calibre .45) e introduzido no mercado pela Colt Firearms em 1908, possui diversas designações como .380 Auto, 9mm Browning, 9mm Corto, 9mm Kurz, 9mm Short, e 9x17mm.

Devido ao baixo recuo e bom poder de fogo (capacidade), é um calibre comumente usado para autodefesa nos EUA, sendo que todos os grande experts americanos o consideram como o calibre mínimo aceitável para autodefesa em termos de poder de parada e energia, sendo também muito usado como arma de reserva, ou back-up gun.

Liberado para uso civil pelo DFPC apenas em meados da década de 80, foi introduzida a primeira pistola no calibre pela Taurus, em seu modelo 58 que comportava 12+1 cartuchos, a época uma capacidade tida como “incrível” para o civil,  já acostumado com os 6 tiros do .38 Spl.

Devido as restrições legais em nosso país, é um calibre largamente usado por civis, possuindo uma número muito satisfatório de modelos para escolha, com várias opções de tamanho, peso e capacidade.

Com a criação da categoria .380 Light no IPSC, difundiu-se mais ainda, sendo comumente visto nas competições de tiro prático e clubes de tiro ao redor do Brasil.

Seu baixo recuo permite uma excelente cadência de tiro e agrupamentos consistentes, que, aliados a uma capacidade média de 15 cartuchos fazem do calibre uma boa escolha para autodefesa. Se considerarmos que caso o operador leve 2 carregadores extras, sua capacidade vai além de 45 tiros, veremos que o poder de fogo de uma pistola .380 é mais que suficiente para a defesa. Pistolas como a Taurus PT 638, com frame de polímero passam que completamente despercebidas no porte dissimulado, além de serem extremamente leves e confortáveis na cintura, devido a seu baixo peso.

A essa altura, talvez alguns estejam se perguntando “E minhas dúvidas?!?!?”

Passemos para elas então! Dividi os quesitos que achei mais significantes no que toca a uma arma de defesa e os listei a seguir:

1-PORTABILIDADE:

Em uma arma de defesa, a portabilidade é essencial, pois diferentemente da arma de serviço/combate esta precisa estar sempre de forma completamente dissimulada.

Ambos os calibres possuem vasta gama de modelos, de diversos comprimentos de cano e acabamento, por haverem modelos em polímero para o .380 poderia achar-se que a vitória é do mesmo, mas há também modelos como o Ultra-Lite da Taurus que possuem chassi de duralumínio e reforço de Titânio em pontos críticos, sendo uma arma extremamente leve no calibre .38. Neste ponto, em minha humilde opinião creio não haver vantagem significativa para nenhum dos dois.

2-PODER DE FOGO:

carregador1

Indiscutivelmente, a pistola .380 é ganhadora FOLGADA deste item, pois mesmo um revólver de 8 tiros com jet-loader (carregadores) extras não é páreo para a capacidade de uma PT 58HC (19+1).

3-CONFIABILIDADE E MANUTENÇÃO:

revolver2
Por sua extrema simplicidade de operação e funcionamento, o revólver leva vantagem nesse quesito, pois caso haja falha da munição, é necessário apenas premir o gatilho novamente. Armas semiautomáticas podem apresentar panes diversas (chaminé, dupla alimentação, nega, mal funcionamento de carregadores etc), que demandam maior treinamento/tempo para solução e um efetivo retorno ao combate.

Infelizmente já vi munições recém-saídas da  caixa ou do blister apresentarem falha em seu funcionamento ou mesmo diferenças de medidas, fato inaceitável sob qualquer prisma.

Lembro-me de um colega de tiro que ao abrir um blister de 10 munições novas teve 3 cartuchos com falhas de funcionamento (nega).  Nem precisamos imaginar o que aconteceria caso fosse em uma situação de defesa…

Infelizmente, parece que a indústria brasileira ainda “escorrega” em seu controle de qualidade nos produtos destinados ao mercado brasileiro, já que lá fora muitos dos MESMOS produtos que se encontram aqui para venda, recebem prêmios diversos, (o que é no mínimo “estranho” concordam?).

Paralelamente a isso, o revólver é uma arma de fácil manuseio e funcionamento, o que o torna extremamente simples de usar, até mesmo por  pessoas que nunca tiveram contato com uma arma de fogo em sua vida. Simples de limpar e extremamente mais tolerante a sujeira que a pistola, é o famoso “pau para toda obra”.

Revólver Wins!!!

4-PODER DE PARADA:

Conhecido também como Stopping Power, ou choque hidrostático, é a capacidade que determinada munição/calibre possui de imediatamente, com um único disparo, cessar a agressão, incapacitando o agressor e consequentemente impedindo-o de continuar seu ato criminoso.

Notem que usei o termo incapacitar propositalmente, pois como profissionais de segurança pública que somos, ou mesmo cidadãos de bem, nosso objetivo maior é o bem da vida, e, caso ocorra o óbito do elemento atingido, tal fato deveu-se única e apenas por  sua conduta criminosa,  devendo o criminoso assumir os riscos que dela podem advir.

Neste ponto, é necessário fazer um parêntese, pois entraremos em uma área mais técnica, e procurarei manter a linguagem o mais simples possível.

Tão importante quanto a energia gerada por um projétil/munição, é a capacidade que o mesmo possui de transferi-la ao corpo, transferindo sua energia e criando o trauma necessário para  neutralizar o agressor. Necessário aqui um alerta, MUNICOES OGIVAIS NÃO SE PRESTAM A ESSE FIM COM BOA EFICIÊNCIA, pois a menos que acertem algum órgão vital, possuem baixíssima deformação e consequentemente transferência de energia para o alvo. Sendo assim tratarei apenas de munições ponta oca ou hollow points.

Abaixo, elaborei uma pequena tabela com as características balísticas de ambos os calibres.

 

Munição

Projétil

Balística

Peso (grains)

V m/s

E (Joules)

ifhifhgidfhgi.380.380 Auto

1

.380 EXPO +P Gold

85

330

300

8.38 SPL

2

.38 EXPO +P+ Gold .

125

310

389

.40 S&W

3

.380 ETOG +P Silver Point

95

308

293

.45 Auto

4

.38 CHOG (chumbo ogival)

158

229

268

9mm Luger

5

EXPO +P+ Silver Point

125

305

377

V (Velocidade) e E (Energia) medidas na boca.

A tabela abaixo é mais completa que a fornecida pela CBC, possuindo a capacidade de penetração em gelatina balística, assim como a expansão do projétil.

Fabricante Tipo Peso (grains) Velocidade (ft/s) Energia (Joules) Expansão (Pol.) Penetracão (Pol.)
Cor-Bon JHP +P

90

1050

298

0.58

9.0

Federal HydraShok JHP

90

1000

271

0.58

10.5

Futuramente, faremos um artigo apenas sobre poder de parada (Stopping Power), pois o tema é extenso e polêmico, e fugiria do tema do nosso artigo.

(Confira tabela de stopping power no defesa.org clicando aqui)

Em um teste puramente ilustrativo, feito em barra de sabão, Fica claro que as cavidades causadas com o .38+p ou +p+ são superiores as que foram obtidas com o .380+p

Também no quesito penetração há uma vantagem para o .38 que em média penetrou no mínimo 4/5 cm a mais que o melhor índice obtido com a .380.

Os testes foram efetuados com um revólver  Taurus, modelo 82  (Cano de 102 mm) e uma Glock modelo 25 (Cano de102 mm)

Neste Round é inconteste a vantagem do .38 nas suas configurações +p ou +p+ diante do .380.

EMPUNHADURA:

Aqui não há discussão, (a não ser que você esteja disposto a gastar aqui no Brasil  umas belas 100 DOLETAS numa Pachmayr ou Hoghe) a empunhadura e ergonomia proporcionada por uma pistola média SEMPRE será superior a de um revólver… E quanto melhor a empunhadura… (preciso continuar???)

CONCLUSÕES

Sem polemizar o eterno debate, acho que acima das vantagens/desvantagens dos dois calibres/tipos de armas,  esta a SEGURANÇA  a DESTREZA e EFICIÊNCIA que o atirador possui com sua arma.

De que vale o “assovio” causado por um 357 Magnum no marginal se um .22 lhe atingiu em cheio em uma região vital?

Dois disparos bem agrupados em sequência (double tap) na região superior do torso criarão certamente o trauma necessário para cessar a agressão contra você (ou, no mínimo desencorajar o elemento)… Lembre-se seu objetivo não é o COMBATE, mas a sua DEFESA.

Sinto-me completamente seguro tanto com meu “resólver” (.38 de 3 polegadas), ou minha Glck G25 para minha defesa pessoal, pois o treinamento e a intimidade que possuo com ambos, além do treino periódico me permitem isso .

A pistola é e SEMPRE SERÁ uma arma superior de combate/defesa, porém a principal vantagem/superioridade está no OPERADOR da arma.

Treine com munição regularmente (2-3 vezes ao ano) treinamento é INVESTIMENTO não despesa… Comprar uma arma, independente qual seja e guardá-la no armário é,  no mínimo temerário.

O treino a seco deve ser feito SEMANALMENTE (saque, troca de carregador, visada, etc) leva apenas 10 minutos do seu dia, (e um dia poderá salvar sua vida)…

Lembre-se, um bom atirador/operacional não se antecipa NEM DESEJA o confronto, porém está sempre preparado para ele.

256 Replies to “.380 x .38, Qual a melhor escolha?”

  1. AFINAL LI TODAS AS HISTORIAS AQUI, AINDA ESTOU EM DUVIDA, PORQUE CADA UM TEM UM GOSTO. MAIS POR FIM, QUAL A MELHOR A 38 OU A PISTOLA 380?
    QUAL MAIS SEGURO NO CASO DE ENTRA MAIS DE 2 PESSOAS EM CASA?

    1. Damiao, fica difícil responder pois não há uma melhor…
      Cada arma tem sua vantagem, o revólver possui ótimo recuo e praticamente não falha, se falhar, só apertar o gatinho de novo que o tambor de munição gira pro próximo disparo. Infelizmente são só 6 ou 8 tiros.
      A pistola tem uma capacidade maior de disparos, algumas chegam a 20 tiros, mas falham com maior frequência se a munição usada e a manutenção não for de qualidade. E se falhar, é mais complicado de resolver que o revólver.

      Alguns dizem que se precisar de mais de 6 tiros é porque já está ferrado, rs. É um ditado popular que tem sentido, porém, devemos lembrar que em uma situação de estresse podemos errar muitos disparos, principalmente se a agressão for oriunda de mais de 1 indivíduo. Por isso muitos preferem pistolas, pela sua capacidade de disparo.

      Vou te recomendar o que todo mundo recomenda:

      Treine com as duas, veja qual você se sai melhor e se sente mais confiante em manusear.

      1. Foi o que eu fiz. Fiz o curso na Guns, em Brasília, de 100 tiros. E achei muito melhor atirar com revóver do que com pistola. São tantas as variáveis da pistola, que se fosse para adquirir uma arma hoje, compraria, sem dúvida, um revólver .38

        1. Apesar de estarmos em 2017 ainda vigora a proibição em adquirir pistolas de qualidade como: Sig Sauer, Glock, CZ, etc. Confiar a defesa pessoal em uma única Pistola é temerário; o ideal é combinar uma Pistola + um Revólver (o mínimo é o RT 85s, 2, .38 spl como arma de apoio)

      2. Não existem armas boas, todas matam e ferem…. Na minha opinião a melhor arma é a prevenção e o respeito mútuo.
        Como defesa o que vale é a coragem o mesmo serviço que uma pistola faz um revólver 38 também faz ou seja manda qualquer um para o cemitério.

    2. Se vc sabe usar uma arma, tanto faz um revólver ou uma pistola, a agilidade e de quem a manuseia.Eu possuo as duas e gosto de ambas sem distinção.

      1. Eu prefiro a pistola, capacidade da 838 18+1 , , imagine vc com 2 vagabundos armado de recolver , e vc com 3 carregador cheios. Quem está em vantagem, lembrando que a eficiência não está na quantidade de munição, é sim de um tiro perfeito.

    3. facil responder:
      se vc tiver que parar uma ameaça, um bandido com uma arma na mão por exemplo…
      a .38 ponta oca +P+ GOLD tem maior poder de parada, se vc for bom de tiro e acertar de primeira é claro…rsrsss
      mas se vc quiser ficar trocando tiro com o bandido, a 380 19+1 vai ficar um bom tempo atirando…

      1. Dondocas brasucas lamentam-se que “… nos EUA a gente compra até canhão!” mas meu argumento é que se no BR as armas fossem realmente liberadas os bandidos também as teriam e obviamente estariam sempre MELHOR ARMADOS e HABILITADOS que as pessoas “de bem”.
        O ideal seria que a Justiças mantivesse os marginais presos (ou mortos) e as pessoas de bem seguras, sem necessidade de armar-se, pois ANDAR ARMADO não é sinal de civilização, mas de DECADÊNCIA MORAL.

        1. Eduardo Antonio, deve morar nos EUA acertei? já teve a casa assaltada? já teve a filha estuprada na tua frente?quando tiver(que eu não estou desejando seu mal se é que me entende)chama a policia, para ver se ela aparece, depois corre atrás de prova PARA VOCE provar e não a policia o que aconteceu,e depois de alguns anos vc vê o mesmo bandido fazer a mesma coisa com outra familia. Vou contar uma rápida aqui em Manaus o dr. GLENN WIDE era dos DIREITOS DESUMANOS, mataram o pai dele DR.ARMANDO FREITAS DE 85 ANOS na bala agora em 2018, PROCURA SABER SE ELE AINDA ESTÁ PRESIDINDO OS DIREITOS DESUMANOSN E PROTEGENDO OS BANDIDOS. UM ABRAÇO A VC.

          1. Um vagabundo entrou na minha casa mas pra afrontar minha esposa e meus filhos. Resultado…quase entrei em depressão, minha esposa tb.tenho vários conhecido policiais e nenhum dele ajudou em merda nenhuma. Vou fazer o curso de tiro e comprar uma arma.

    4. Rapaziada!!! Se não conseguem optar… Façam o seguinte. Comprem uma pistola e um revólver. E quando sobrar um pouquinho de grana comprem uma G12 tbm. Difícil invadirem minha casa assim.

  2. Muito bom o artigo, amigo. Parabéns pelo trabalho feito e agradeço muito por tê-lo feito, afinal, o mesmo me tirou muitas dúvidas acerca das diferenças, vantagens e desvantagens que existe entre os dois calibres.

    Abraços.

  3. Muto bom o contexto bem explicativo redação bem clara parabéns pelo trabalho exposto denota-se vasto conhecimento do assunto e larga experiencia

  4. Boa tarde Claudio Cisne Cid,
    Amigo, eu tinha duvidas em qual dessas armas comprar para defesa da minha residência, depois de ler esse excelente artigo não tenho mais.
    Vou comprar um .38 que irá me atender muito bem. Agora é ir até a loja ver a documentação necessária para policia federal.

    Abraço.

  5. QUER TRANQÜILIDADE ? USE UM OITÃO NAO DEIXA NA MÃO N PIPOCA … MAL SE O DEFENSOR FOR RUIM DE MIRA E ERRAR OS 6 OU 8 DISPAROS … VAI TER Q CORRER MUITO AMIGO RS… LEMBRO DOS MAIS ANTIGOS QUANDO FALO DE ARMAS COM ELES SOBRE A GARRUCHA , 2 TIROS E UMA CORRIDA RS RS AHHH… E FORA Q A MUNIÇÃO DO 38 É MAIS EM CONTA DOQ DA .380

  6. estou comprando um taurus 838 4´´, pelo medo da hora H, a pidtola me deixar na mão,e eu não conseguir sanar o problema com rapidez, estou optando por esse modelo por ser 8 tiros,, e um bom treino com carregador rapido,, da-se um jeito, e procurar sempre atingir o alvo, se não for assim, nem uma pistola com 50 tiros adiantaria, abçs

    1. Meu amigo vai por mim.
      Se é pra ter uma pistola com 8 tiros é melhor optar pelo 38.

      A vantagem da 380 sobre o 38 é exatamente a quantidade de cartuchos. Se vc eliminou essa vantagem…. tornou-se desvantagem.

  7. BOA NOITE E PARABÉNS PELO ARTIGO , GOSTARIA DE TIRAR UMA DUVIDA COM VOCE ,POIS SOU LEIGO NO ASSUNTO ,A MUNIÇÃO DA PT 380 SERVE PARA O REVOLVER 38 ,DESDE JÁ TE AGRADEÇO PELA INFORMAÇÃO .

  8. na verdade os dois sao bons para defesa,mas é claro que o revolver nunca vai ter a mesma agilidade de uma pistola nos disparos, mesmo porque a pistola é uma arma semi automatica, e quanto essa historia de poder de parada, até um tempo atras eu ainda acreditava nisso, mas depois que vi algumas reportagens de pessoas atingidas por apenas um tiro de .380 e foram a óbito,vejo que o mais importante nao é o calibre e sim o lugar onde voce acerta o tiro.

    1. um tiro do revolver 454 gera quase 2 mil joules a pistola .40 400 joules um tiro do revolver 454 estoura seu corpo inteiro sem precisa atingir qualquer orgao

  9. O que importa é a pontaria. Vemos pessoas aconselhando o uso da pistola em detrimento do revólver não somente por conta do calibre mas pela capacidade do carregador.

    Acontece que em muitas situações um confronto se resolve nos dois primeiros disparos e se o oponente for bom de pontaria e colocar dois projéteis de 22 LR na testa do outro, não vai adiantar ter 20 munições no carregador e nunca mais poder usar. É melhor acertar a cabeça do oponente com dois disparos de 22 LR do que mandar o ventinho de uma .45 ACP.

    Qualquer um aqui que levar um tiro na cabeça de 22 LR de uma arma como um Taurus ou Rossi com cano de 4″ terá 90% de chances de morrer, se não na hora do confronto, ao menos na mesa de cirurgia.

    Aí o outro lá morre com uma .40 ACP nas mãos por que não acertou o alvo a tempo de impedir a agressão e daí o poder de parada vai “pro saco”. Junto com o defunto.

    Perdoem-me a franqueza.

  10. Eu gosto muito de facas para defesa pessoal. Silenciosas e mortais nas mãos de quem sabe usar. Uma boa lâmina em aço carbono de aproximadamente 18 cm pode fazer um estrago mortal no fígado e alças intestinais, sendo que em ato de puro reflexo o ferido irá colocar as mãos no abdome – dor, surpresa, etc – quando então o pescoço será devidamente atingido – esgorjamento – provocando hemorragia abundante na busca do êxito letal o mais rápido possível.

    Ocorre que o uso correto da faca exige treinamento adequado e controle emocional, não é nada agradável se banhar no sangue do agressor ou sentir o rompimento do tecido pelo aço.

    Não sei se nossas Polícias tem treinamento ofensivo do uso de facas como tem no uso de tonfas, sei que muitos Exércitos dedicam semanas para esse tipo de treinamento, especialmente o israelense e o norte-americano.

    Eu prefiro tomar um tiro do que levar uma facada pois essa ultima certamente provocará lesões muito mais extensas na região do abdome, a laceração será mais proncunciada e muitos outros orgão poderão ser atingidos com um unico golpe, sendo o fígado o mais delicado por conta da hemorragia abundante que se segue.

    Por favor, não quero assustar ninguém, falo de laudos de necropsia de óbitos provocados por instrumentos pérfuro-cortantes e estudos de medicina-legal.

  11. Deveria ter pensado num final melhor para seu texto, amigo … Na verdade, a antecipação é o segredo para evitar o confronto de tiro. QAP TOTAL.

  12. Muito bom o artigo. Sou armeiro e tenho uma 9mm e um .38, e sem dúvida o 38 e a melhor opção para aqueles não treinam com muita frequência, tendo em vista a sua facilidade no manuseio.

  13. ESTOU RENOVANDO MEU REGISTRO JUNTO A PF.

    SK EM CURITIBA AONDE EU ESCOLHI PARA FAZER O NOVO CURSO PARA RENOVAÇÃO.

    TENHO UM PT 1911 PASSADA DE GERAÇÃO A GERAÇÃO NA FAMILIA.

    EU TENHO INTERESSE DE OUTRA ARMA MAIS ATUALIZADA E ESCOLHO NOVAMENTE OUTRA PT. AGORA A Glck G25 O QUAL FIZ MEU CURSO.

    AGORA ESPERAR A DOCUMENTAÇÃO FICAR PRONTA PARA A RENOVAÇÃO E PARA LIBERAÇÃO DA NOVA AQUISIÇÃO E TREINAR MUITO PARA TER HABILIDADE PARA PODER REAGIR NO MOMENTO CERTO.

    FUI ASSALTADO NO DIA 03/11/2016 – POR SORTE A ARMA NÃO ESTAVA NA MINHA EMPRESA E SIM NA CASA, POIS NO ATO ME SENTI DESPREPARADO PARA O USO E AGORA SEI QUE TENHO QUE TER PREPARO MAIOR PARA REAGIR.

    FICO INDIGNADO QUANDO VEJO REPORTAGEM E NOTICIAIS NA REDE, FALANDO QUE O CIDADÃO QUE REAGIU E MATOU O BANDIDO ESTA PRESO ..

    QUE LEI É ESSA QUE DA VANTAGENS AO BANDIDO E NÃO AO CIDADÃO DE BEM EM SE DEFENDER E PROTEGER A SUA VIDA E DA FAMÍLIA — ABSURDO

  14. Bom artigo
    Tambem sou operador de segurança publica e instrutor de armamento e tiro.
    Quanto a questão do Stopping Power, hoje sabemos que é um mito. Até bem pouco tempo atrás era oque quase toda academia de polícia ensinava, Sabemos hoje que depende muito mais de outros fatores do que da simples “transferência de energia”, é quase impossível mensurar. Só pode ser atribuído no “momento”.
    Double Tap outro mito, não há como se dar a colisão soma das duas cavidades temporárias. As cavidades temporárias duram milésimos de segundo, enquanto um atirador experimentado consegue efetuar dois disparos na casa dos centésimos de segundo, mas esse não é assunto para hoje. Quero sugerir o livro do meu colega Allan Marinho Antunes Leandro “Armas de Fogo e Legitima Defesa : A Desconstrução de 8 mitos.
    No mais parabéns pelo seu artigo

    1. Perfeito Luiz. Acrescento ainda que nenhum dos três calibres comumente usado pelas forças policiais (9mm, 40 e 45) tem capacidade de romper veias e artérias com o impacto proveniente da cavidade temporária dos ferimentos. Ou acerta na veia ou ela não se rompe. Imagine então os mais fracos 38 e 380..

  15. Aos que dizem que a pontaria é o que interessa,em tese é verdade, qualquer calibre acertado na cabeça ou no mediastino resolverá com um único disparo.

    Saliento apenas que, na prática não é bem assim. Mesmo para quem pratica tiro, o atirador parado, num alvo parado e sem estresse é uma coisa.

    Atirar se movimentando, num meliante se movimentando e ainda atirando ou tentando atirar em você, num estresse danado. Certamente colocar uma bala no local num momento desses com uma arma curta é muito complicado.

    Focando nisso, prefiro a arma com maior poder de estrago,pois mesmo atingindo o alvo em locais não vitais a chance de incapacitar é bem maior.

    É comum ver bandido tomar vários tiros de 380 e revidar e não morrer.

    Pra mim, o calibre 380 é muito fraco, só para alguém se for bem colocado e isso, como disse, é tarefa difícil.

    Fico com o 38 com munição +p+ ponta oca. Onde pegar vai causar muito estrago.

    1. São muitas as variaveis Ary. Impossível afirmar que o meliante vai parar com um ou mais tiros que QUALQUER arma curta (calibre) se vc não o acertar numa região vital: cabeça, cervical ou coração

  16. Boa tarde. Gostei do conteúdo que é bem esclarecedor. Gostaria de comentar sobre as falhas da munição das quais o autor atenta para a estranheza do fato. Na minha humilde concepção, não é apenas falta de qualidade na fabricação. É feito propositadamente. Com a finalidade de causar descrédito e assim, falta de confiança das pessoas em utilizar uma arma, ou seja uma forma de desestimular seu uso. Certamente existem coisas que acontecem entre governo e fabricantes de armas no Brasil que desconhecemos. É incompreensível uma munição falhar nos dias de hoje, com a tecnologia e materiais que temos disponíveis.

  17. Cara uma Taurus 85S (38 special 2p) eh simplesmente linda. Soh tive contato com armas enquanto radicado nos EUA, aqui no Brasil soh voltei a ver armas depois de ser assaltado. =(

  18. Boa noite, estou em dúvidas com relação a tirar porte de arma. Qual o primeiro passo? Fazer o curso de tiro e psicológico ou dar entrada na papelada?

  19. é complicado, estou querendo uma imbel .380 com kit 3 carregadores , creio modelo 2 , dificuldade que estou tendo é quanto vai ser custo do clube e na minha cidade não tem, cidade visinha Barra Bonita clube esta s/ vagas, vou ter procurar Bauru ou Botucatu da 80 km . que devo fazer ? duvida !!! tiro CR participar do clube ou registro para uso casa ?

  20. Esse texto foi muito bem escrito. Perefeito. Muito elucidativo.
    Estou comprando minha arma agora e tenho uma dúvida.
    Estou interessado no Taurus 817, é um revólver de 2 polegadas, mas com 7 tiros ou devo procurar um de 3 ou 4 polegadas ? A diferença na precisão é grande para disparo de defesa ?

    1. Marcos, por incrível que pareça, faz diferença sim em calibres pequenos. Um revolver com 4″ de cano chega a ter 40 joules a mais de energia em comparação com o de 2″ de cano. Também leva-se em consideração o fato de maior precisão e menor recuo em uma arma com cano maior.

      Se for para uso patrimonial, não tenha dúvidas, compre com 4″.

  21. Minha única discordância em relação ao artigo é no quesito “empunhadura”. Os revólveres possuem um ângulo de empunhadura que facilita muito o tiro instintivo em relação à pistola semi-automática (a não ser que a pistola tenha um ângulo bem aberto, como uma Luger).

    Experimentem fazer o seguinte teste, com os dois tipos de arma, para entender a que me refiro:

    1) Empunhe a arma com o dedo indicador esticado (fora do gatilho) e os olhos fechados. Não permita que o indicador toque na arma.

    2) Estique o braço para a frente, até sentir que o seu dedo indicador está perfeitamente apontado para a frente (paralelo ao solo).

    3) Abra os olhos e observe o alinhamento do cano da arma em relação ao seu indicador.

    Com um revólver, verá que o cano está perfeitamente paralelo ao seu dedo (apontado para a frente), enquanto, na maioria das pistolas, ela estará apontando para baixo.

    É comum, quando um cidadão reage utilizando uma semi-automática, vermos que o marginal ser atingido no abdômen ou pernas, mesmo em distâncias curtas.

  22. A melhor arma para nós é aquela em que estamos treinados , não interessa o calibre P.s: (não importa se você é Pm , Pc , PF , um civil , um fazendeiro em sua propriedade ), essa frase saiu de um Instrutor da SWAT – USA , então muitos ficam aí falando em stopping power e peso/grains e blá blá , meus amigos o que interessa mesmo é você acertar o alvo e é nesse ponto que o instrutor da swat bate forte . tem esse link de um video do you tube ( se já nao viram é claro ) https://www.youtube.com/watch?v=EAX3rcztxlE
    Recomendo um site excelente do Instrutor da DPF – ANP : humberto Wendling , o link é este :http://comunidadepolicial.blogspot.com.br/

    Não troco o meu .38 que treino a 4 anos por qualquer coisa que nunca atirei , um tiro no alvo é um tiro no alvo ! a melhor defesa é a prevenção …..

    abraços

    1. Perfeito Mozart! E não é só esse instrutor americano que fala isso. Vários médicos especialistas em balística terminal derrubaram o mito do stopping power… Ou vc acerta o mala num ponto vital, ou vai ter que contar com a sorte. Porque são muitas as variaveis, tais como a motivação do vagabundo, se esta sob uso de entorpecentes etc…

  23. Sempre atirei desde criança. Recentemente passei por um assalto na loja da Nextel na faria lima – sp capital. Roubaram a loja toda. A primeira coisa que os bandidos fizeram foi me revistar inteiro. Depois refleti e conclui que seu eu estivesse armado teria sido morto. O que vocês acham!

  24. revóvel pra mim só o magnum .500, com um único tiro mata um elefante, explode qualquer bandido em milhares de pedaços mesmo com colete balístico.
    muitos leigos nem sabem da existência deste canhão manual.

  25. Bom dia a todos bom esse assunto, e ambas as armas usadas cada uma com suas qualidades e defeitos e saber usar o armamento que tem em mãos é muito importante .
    A 2 anos atrás passei por um confronto armado onde 3 marginais cada um com um revolver , confesso a vcs q se estivesse com um revolver provavelmente não estaria contando e dividindo este assunto com todos pois disparei um total de 9 tiros , resultado um óbito , um preso e outro fugiu , agora pergunto se estivesse com um revolver com 6 tiros ???????? então para uso no dia a dia principalmente quem faz bico , tenha uma pistola sempre ande com mais de um carregador , melhor passar a vida toda e não usar do que precisar e não ter ai já era . Agora para proteção do lar onde o confronto dificilmente ira existir aconselho sim um revolver , um bom 2018 a todos. há na época estava com uma PT 59 , e tenho um revolver tbm em minha residência .

  26. Comprei uma pistola pt 838 380 (não foi a menor) que ainda vou receber após entrada na polícia federal,será que fiz uma boa escolha?

  27. Boa tarde.
    Gostei muito da materia ajuda muito quanto a esse tema que sempre é complicado.
    Fiquei curioso quanto ao calibre 38 que vc cita ter sido feito algumas pistolas nesse calibre! Sabe nos informar quais são e se ciclam bem com a munição CBC?
    Grato pela atenção

  28. Excelente conteúdo porem fiquei com uma duvida.
    Pois bem fica claro que o poder de parada do 38 spl é superior porem ouvi dizer que existe algumas pistolas com esse calibre em sua maioria para competição.
    A duvida é a seguinte se realmente existe tais pistolas que fazem uso da munição 38spl para revolvers e se não seriam mais indicada para a defesa ja que une o melhor dos dois sendo a melhor opção nesse brasil que restringe tudo

  29. Vou usar arma caseira com munição superior ou comprar no mercado negro, então foda-se esse governo de merda que dificulta o maximo a compra de armas e essas empresas que cobram o olho da cara, e se a policia encher o saco vou fazer igual o butch cassidy and the sundance kid, vou sair dando tiro.

  30. Defesa do portão para dentro é a cal 12 imagina um cartucho SG com 9 esferas quase do tamanho de um projétil. Pode ter até 3 manos armados não vão entrar.
    Uma arma de mão seria mais para uma defesa portão para fora e fico com a pistola e mais firme na mão.

  31. 30 anos atrás eu comprei um 38 mas gostava de atirar com 32 , baixíssimo recuo e alvo fácil. Será que a 380 tem o recuo próximo do 32.?

  32. Essa primeira tabela com “ características balísticas ” está confusa, se a comparação é entre .38 e .380, mas apresenta outros calibres. Vale a pena revisar.

  33. Pessoal, fui policial servil por alguns e na minha humilde opinião o revolver é a melhor opção. Na policia, ainda quando estava na ativa, dois colegas pcs morreram utilizando-se de pistolas (um deles foi por que o estojo prendeu no ejetor), fora as munições que picotam, pistolas que atiravam ao movimentá-las bruscamente entre outra bizarrices.
    Se você tiver muito dinheiro e poder comprar uma pistola decente do tipo glock, CZ, beretta, ai sim vale a pena, mas se teu dinheiro é curto não se arrisque comprando uma pistola tauros ou imbel. Va de oitão!

  34. Trata-se de armas de fogo bem diferentes. Não trocaria jamais minha PT938 .380 ACP 15 + 1 tiros por um Revólver calibre 38. Tanto pelo manuseio como poder de fogo são sem sombra de dúvidas prerrogativas de se ter uma pistola. Deixo claro. Opinião particular minha.

  35. Tenho um rt 838 é ele assusta o vagabundo é uma arma pessoal se fosse pra confronto compraria uma pistola pra manter o confronto mas um tiro de 38 resolve um amigo deu 9 tiros em um cão de grande porte que atacava uma mulher é não resolveu dei um de oitao e parou ele

  36. Olá! Já tive pistola, fui CAC durante um bom tempo e tenho fazenda aqui em Minas. Minha sugestão é a seguinte: a pistola é melhor em capacidade e velocidade dos disparos, mas, vez ou outra apresenta algum tipo de problema, como dito acima. O revólver já não costuma apresentar falhas, a não ser da munição, que pode ser facilmente resolvida efetuando um novo disparo. Minha sugestão é: se você tiver condição de utilizar constantemente a arma, a pistola é melhor, e vai lhe habilitar a resolver um possível problema, se vier a ocorrer. Mas se for uma arma pouquíssimo utilizada, como meu caso na fazenda, recomendo um revólver. Não falha, manutenção e lubrificação simples. E pronto. E um .38 com uma munição +P+ ponta oca resolve bem qualquer problema. Mesmo que seja para deterrência (intimidação).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *