Legítima defesa: uma questão de dignidade

A equação é simples: sem direito a armas não se tem plena capacidade de exercer a juridicamente assegurada legítima defesa; sem legítima defesa, a propriedade e a vida não são protegidas; sem a propriedade não há liberdade completa; e sem vida, não há sociedade, não há desenvolvimento civilizacional e não há Direito.


Leia o texto completo de Rafael Vitola Brodbeck, delegado de Polícia no Rio Grande Do Sul, na Revista Vila Nova. Clique aqui.

Via Mídia Sem Máscara.

legitima-defesa-uma-questao-de-dignidade

5 Replies to “Legítima defesa: uma questão de dignidade”

  1. ACHO QUE O CIDADÃO DEVERIA ANDAR ARMADO,POIS SERIA UMA DEFESA ,TERIA QUE TIRAR O PORTE DE ARMA, APRENDER A MANUSEA-LA, POIS TERIA A CHANCE DE SE DEFENDER DESSES PSICOPATAS, QUE MATA UM CIDADÃO COMO MATAR UMA BARATA,LUGAR DE BANDIDO É NA CADEIA,MAS NÓS TEMO EXEMPLOS DOS PRÓPRIOS POLÍTICOS BRASILEIROS,ISSO É UMA VERGONHA PARA O NOSSO PAÍS.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *