47 Replies to “Vou colocar uma bala no pente! E se você não gostar o azar é seu.”

      1. MUNIÇÃO OU BALA?
        A título de conhecimento, apresento agora as partes de uma munição ou bala.
        A parte que atinge o alvo é apenas a ponta, e não como alguns pensam, que é o cartucho inteiro que é propelido.
        Aproveito para falar, novamente, que o uso do termo BALA é correto. É uma palavra de origem grega, “BALLO”, que significa “lançar” ou “atirar”.
        O nome técnico da “bala” é “projétil balístico” (ou “projetil balístico”).
        A ciência que estuda os fenômenos que envolvem os projéteis é a balística.
        Finalizo lembrando que usamos um colete com o nome de “colete anti-balístico”.
        Essa aversão ao nome “bala” vem do exército, que na época não costumava estudar muito sobre a etimologia das palavras.

  1. na verdade os conceitos de munição e de carregador sugiram pela diferenciação dos equipamentos o carregador tipo pente e um carregador do famoso Mosquetão que atualmente só se usa pra o recruta ou o aluno ter o que carregar nas instruções de campanha já a bala era o nome dado as bolotas que eram usadas nas armas de que a polvorada e introduzi no cano ou seja se eu quero chamar de bala o mais apropriado seria falar que o projétil e a bala atual

    1. Complementando a resposta acima, também tinha os carregadores tipo “lata de goiabada”. Clássico nos filmes de gângsteres…

    2. Mais apropriado nada. A primeira definição da palavra “bala” no Aurélio é justamente projétil de arma de fogo. Isso é mania de sargentinhos de Tiro de Guerra que não mandam nem na própria mulher e querem zoar em cima de quem não pode retrucar às duas idiotices: os recrutas.

    1. Quem toma tiro: Baleado
      Ciência que estuda o tiro: Balística.
      Então vamos parar de frescura, carregador magazine pente mesma coisa.

  2. hahahah O Lucas Silveira deve ter pensando como eu!!
    colocar ela no pente eu coloco tb, só garanto q ela não vai ficar a
    na posição ideal no pente pra poder alimentar e então carregar a arma!! rsrsrsr
    Abraço a todos!
    Francis

  3. Conhecimento nunca é demais, portanto, conhecer os termos técnicos que definem melhor os componentes relacionados às armas é bom, principalmente para quem está envolvido de alguma maneira com o assunto. Mas não podemos esquecer que o tiro também é uma atividade de lazer, que muitos praticam por puro prazer, não cabendo neste momento muitas formalidades, apenas as regras de segurança.

  4. Não tenho costume de falar assim, inclusive me soa até meio estranho, mas “bala” a meu ver está correto. Podem verificar que em muita linguagem técnica e jurídica referem-se a “cartuchos carregados a bala”, além da parte da física que estuda o movimento da “bala” chamar-se balística. Me corrijam se eu estiver errado.

  5. ahahahahaha defender nossos direitos…????..onde é que cidadãos honestos tem direitos….temos que andar com armas frias e com a numeração raspada…e foda-se se os homens te catarem em uma blitz…prefiro ser julgado vivo do que deixar saudades morto….

  6. é os nomes tecnicos são legais, porem ninguem faz exame de projetistica e nem o colete é projetistico….. heheheheheh ja chamar usualmente o carregador de pente nao é muito legal msm….. heheheh

  7. kkkkkkk, BOA! Mesma linha de pensamento, e alias, a partir do momento que você compra a munição, ela é sua, então pode chamar ela até de Juvenal e o PENTE de ximbinha, porque pode!

  8. Concordo com os colegas. Preciosismo em relação aos termo, deixemos este rigor para os militares.Não problema algum usar o termo “bala”.
    Gostaria de saber a origem do termo “pente”.
    Bom, eu fiz minha dedução,não sei se irão concordar. O clip de munição da carbine M1 garand,é apenas uma fita metálica com mola que segura as cinco munições/balas pelo culote rebatido do estojo. Se vc olhar de lateralmente, verá que lembra muito um pente.
    A minha conclusão é que no nosso glorioso Exército,para facilitar a compreensão dos recrutas,tem-se o costume de apelidar os termos, por exemplo, na minha época o conjunto ferrolho/impulsor do ferrolho do FAL era apelidado de “ratinho”.
    Acredito que o termo “pente” tem a mesma origem. Logo, ñ vejo mal algum em utilizar termos menos técnicos.
    O que estranho é que muita gente que exige esse rigor técnico, sequer tem idéia da origem dos termos.
    Ademais, como bem colocou o Lucas, relaxa e coma um costelão e se for aqui no MS, me chamem.

  9. Olha, um pouco certo e um pouco errado.

    Se for chamar a munição ( todo o conjunto : capsula,espoleta,propelente,projetil etc) de bala creio que não faz sentido.Bala , la nas “antigas” era a parte que era arremessada, ou seja o projetil em sim. A arma hoje não arremessa a munição (conjunto todo)e sim o projetil. Dessa forma se querem buscar no passado uma justificativa para chamar munição de bala ai não esta correto.
    Agora se chamar de bala somente o projetil ai sim é podemos dizer que é uma forma aceitável.
    Até porque temos o colete a prova de balas ( pergunto aqui: o que atinge o colete? a munição ( todo o conjunto?) ou somente a ponta, o que é arremessado, o projetil?que tambem pode ser chamado de bala).
    No mesmo sentido temos o para-balas. Que tem qual função senhores? conter a munição ou somente o projetil ( ou bala como preferirem).
    Menciono ainda a Balística. Sabem o que é isso? Estudo do movimento, trajetoria, impacto etc dos projeteis e não das munições como um todo.
    Então chamar munição de bala e pagar mico mesmo e tem que chupar para ver se tem gosto bom.

  10. A “necessidade” que você vê em utilizar armas para se defender é também a causa dessa falsa necessidade. A partir do momento que você acredita que sua vida é mais importante que a do outro e usa isso para justificar um assassinato você se torna igual ao bandido. Você usa sua defesa como justificativa para tirar vidas, e é exatamente o que o bandido faz. Ele se sente injustiçado e vê o crime como unica solução para sua própria sobrevivência. Armas não matam, as pessoas sim, o podre pertence a pessoa, mas a arma, o poder e a falsa segurança que elas passam são a causa dessa falta de segurança. A solução não é o armamento, isso foi o que deu início ao problema, ninguém deve ter o poder e o direito de tirar uma vida. O armamento transformaria todos nós em assassinos, iriamos nos tornar o que nos opomos, iriamos nos transformar em bandidos para combater os mesmos. Se você assume que sua vida vale mais que a de outra pessoa, não importa quem, ela não vale só por você ter esse pensamento egocêntrico (uma coisa é se priorizar, outra é se achar superior ou mais importante). Você, como individuo, não está acima de ninguém, sua vida, não vale mais que a de ninguém, só você pensa isso, e é aí que você se assemelha aos bandidos, porque é esse mesmo pensamento que os fazem cometer crimes e tirarem vidas, se você usar isso de justificativa para tirar uma vida, você estás na mesma página que o bandido, você é o bandido.
    Aplicando a sua lógica na situação inversa, para o bandido, a vida dele vale mais que a sua, como ele se sente injustiçado, para ele é justificável roubar de quem tem e tirar vidas para manter a sua, porque ele nasceu com menos recursos e oportunidades e ele busca a sobrevivência. Se você acha que é justificável tirar uma vida para manter a sua, você está dizendo que as ações do bandido, por mais incorretas que sejam, são justificáveis, pois se encaixam na mesma lógica, você é contra porque é a sua lógica contra você e não ao seu favor.
    A solução é o desarmamento. Apoiar o armamento é querer transformar a população em ASSASSINOS e querer justificar assassinatos, criando uma sociedade de bandidos onde alguns podem matar, seguindo a lógica de que sua vida vale mais, então para qualquer um se torna justificável tirar uma vida para defender a sua própria e cria uma cultura egocêntrica (mais do que já existe), sem falar como facilitaria o porte para os bandidos e aumentaria o crime organizado. Nenhum assassinato está correto e deve ser justificável, apoiar o armamento nos coloca no mesmo plano, todos se tornam bandidos. Parece que você quer cometer crimes e ter uma justificativa para não ser punido. Se você fosse realmente contra os crimes e os assassinato você jamais apoiaria o porte da ferramenta que facilita tais ações. E se você não confia nas pessoas a ponto de sentir a necessidade de se armar para se defender, como você pode apoiar o armamento para as pessoas sem confiar no que elas podem e vão fazer com elas? Este pensamento se justifica como egocêntrico, porque ou você não confia nas pessoas e quer se armar pra se proteger e não pensa em quantas pessoas más teriam mais acesso ás armas (se um civil está armado, com certeza o bandido também estará), só pensando em seu próprio beneficio ou porque você confia excessivamente em você e no seu uso de uma ferramenta que só serve para tirar vidas; é egocêntrico porque você põe a sua vida acima da dos outros como se realmente valesse mais que alguma outra vida e acha que é justificável você tirar uma vida para sobreviver porque é você.

    1. Que comentário imbecil. É claro que minha vida vale mais que a vida do outro, por isso não saio por aí roubando, pois tenho medo de perdê-la, mesmo motivo pelo qual mataria um bandido que atentasse contra ela. Escolhas, a vida é feita de escolhas que geram consequências, escolhi ser um cidadão de bem. Maldito Paulo Freire.

  11. Está MUITO errada sua colocação de o Exército não estudar a etmologia das palavras, à época:
    O Exército atira com diversos calibres e na Física usa-se o termo projétil para o que é lançado; usamos projétil exatamente para distinguir e não confundir.

  12. DEIXA DE SER BESTA CARA, SE TU PRODUZ ALGO SE ESFORÇA TRABALHA SUSTENTA MÃE FILHOS TUA VIDA VALE MAIS DO QUE DE UM IMBECIL QUE EM NADA CONTRIBUI A NÃO SER PRO MAL, QUERO VER ESSA FILOSOFIA COM ARMA APONTADA PRA TUA CABEÇA PEDINDO O TELEFONE QIE ESCREVEU ESSE DEVANEIO FILOSÓFICO DE ARAQUE…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *